sábado, 3 de abril de 2010

Formação Histórica dos Estados Brasileiros

ACRE (AC)

Capital: Rio Branco. Habitante: acreano.
Localização: sudoeste da região Norte.
Área: 153.149,9 km².
Limites: Amazonas (N); Rondônia (L); Bolívia (SE); Peru (S e O).
Características: planalto (maior parte do território); serra da Contamana (O).
Clima: equatorial.
Rios principais: Juruá, Tarauacá, Muru, Embirá, Xapuri, Purus, Iaco, Acre.
Formação Histórica: Até o início do século XX, pertence à Bolívia. Desde as primeiras décadas do século XIX, no entanto, a maioria de sua população é formada por brasileiros que exploram os seringais e não obedecem à autoridade boliviana. Os brasileiros criam na prática um território independente e exigem sua anexação ao Brasil. Em 1899, os bolivianos começam a recolher impostos e fundam Puerto Alonso (hoje Porto Acre) na tentativa de assegurar o domínio da área.
Anexação do território Os brasileiros se revoltam, e os conflitos só terminam com a assinatura do Tratato de Petrópolis, em 17/11/1903. Pelo tratado, o Brasil recebe a posse definitiva da região em troca de áreas no Mato Grosso, do pagamento de 2 milhões de libras esterlinas e do compromisso de construir a estrada de ferro Madeira-Mamoré . Integrado ao Brasil como território, o Acre é subdividido em três departamentos: Alto Acre, Alto Purus e Alto Juruá, este último desmembrado em 1912 para formar o Alto Tarauacá. Unificado em 1920, elege representantes para o Congresso Nacional, a partir de 1934. Em 15/06/1962, o presidente João Goulart sanciona lei que eleva o território à categoria de Estado.

ALAGOAS (AL)

Capital: Maceió. Habitante: alagoano.
Geografia : Localização: leste da região Nordeste. Área: 27.933,1 km². Limites: Pernambuco (N e NO); Sergipe (S); Bahia (SO); oceano Atlântico (L).
Características: terrenos arenosos (litoral); planaltos com poucas serras e picos (CO); maiores altitudes no planalto da Borborema, 600 m (N).
Clima: tropical.
Rios principais: São Francisco, Mundaú, Paraíba do Meio.
Formação Histórica: Nos primeiros anos do século XVI, a região é invadida por franceses. Em 1535 é retomada pelos portugueses, sob o comando de Duarte Coelho, donatário da capitania de Pernambuco. Coelho organiza duas expedições que percorrem a área e fundam vilarejos, como o de Penedo. Também incentiva a plantação de cana-de-açúcar e a formação de engenhos. No século seguinte a região é ocupada pelos holandeses, que aí permanecem até 1645. Durante o século XVII os negros fugitivos, reunidos no Quilombo de Palmares, atacam vilas e engenhos. Palmares chega a ter 30 mil habitantes em várias aldeias e é destruído em 1690.
Autonomia Devido à importância econômica da região, em 1711 é instalada a comarca de Alagoas. Em 1817, ano em que estoura a Revolução Pernambucana, torna-se capitania independente de Pernambuco. No Império, é palco de movimentos como a Confederação do Equador e a Cabanagem. Em 9/12/1839, a sede provincial é transferida da cidade de Alagoas, atual Marechal Deodoro, para Maceió. No início da República, passa por uma fase de lutas políticas até a Revolução de 1930.

AMAPÁ (AP)

Capital: Macapá. Habitante: amapaense.
Geografia : Localização: nordeste da região Norte. Área: 143.453,7 km². Limites: Guiana Francesa (N); Suriname (NO); oceano Atlântico (L); Pará (S e O). Características: planície com mangues e lagos (litoral); planaltos (maior parte do território). Ponto mais elevado: serra de Tumucumaque 500 m (NO). Clima: equatorial.
Rios principais: Amazonas, Jari, Oiapoque, Araguari, Calçoene, Maracá.
Formação Histórica: Doada ao português Bento Manuel Parente em 1637, com o nome de capitania da Costa do Cabo do Norte, a região sofre incursões de ingleses e holandeses, que são expulsos pelos portugueses. No século XVIII, os franceses reivindicam a posse da área. Em 1713 o Tratado de Utrecht estabelece os limites entre o Brasil e a Guiana Francesa. Como os franceses não respeitam o acordo, os portugueses constroem a fortaleza de São José do Macapá para proteger a região.
No século XIX, a descoberta de ouro e o aumento dos preços internacionais da borracha incentivam o povoamento do Amapá e acirram as disputas territoriais. Em maio de 1895 os franceses entram no Amapá. A Comissão de Arbitragem, em Genebra, em 1º/1/1900, dá a posse da região ao Brasil. O território é então incorporado ao Estado do Pará com o nome de Araguari.
Descoberta de riquezas Em 1943 a região torna-se território federal com o nome de Amapá. Dois anos depois, a descoberta de ricas jazidas de manganês na serra do Navio revoluciona a economia local. A extração desse minério se inicia em 1957 e estimula o aumento da população. O Amapá é elevado à categoria de Estado pela Constituição promulgada em 5/10/1988.

AMAZONAS (AM)

Capital: Manaus. Habitante: amazonense.
Geografia : Localização: centro da região Norte. Área: 1.577.820,2 km². Limites: Venezuela, Roraima (N); Colômbia (NO); Pará (L); Mato Grosso (SE); Rondônia (S); Acre, Peru (SO). Características: planalto das Guianas (N); encostas do planalto Brasileiro (S). Ponto mais elevado: pico da Neblina, 3.014 m (N). Clima: equatorial.
Rios principais: Juruá, Purus, Madeira, Negro, Amazonas, Içá, Solimões, Uaupés, Japurá.
Formação Histórica: Pelo Tratado de Tordesilhas, a região da Amazônia pertence à Espanha. Desde o início do século XVII, no entanto, é alvo de incursões portuguesas. Para favorecer as entradas no território, em 1671, Francisco da Mota Galvão constrói o Forte de São José do Rio Negro, origem da cidade de Manaus. As disputas com a Espanha terminam com o Tratado de Madri, que, em 1750, dá a Portugal posse definitiva da região. Em 1755 é criada a capitania de São José do Rio Negro.
Com a proclamação da independência, em 1822, a capitania é incorporada ao Pará e em 1832 é palco de uma revolta popular que exige sua autonomia. A rebelião é reprimida pelas tropas imperiais. Em 1850, porém, dom Pedro II cria a província do Amazonas.
Ciclo da borracha Nos primeiros anos do século XX a exploração da borracha leva riqueza para a região. No entanto, a decadência econômica vem rápido, graças à concorrência internacional dos seringais das colônias inglesas e holandesas no Oriente. A partir de 1950 o Estado retoma lentamente o crescimento por meio de incentivos federais. Com a criação da Zona Franca de Manaus, em 1967, a industrialização chega ao Amazonas.

BAHIA (BA)

Capital: Salvador. Habitante: baiano.
Geografia : Localização: sul da região Nordeste. Área: 567.295,3 km². Limites: Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Piauí (N); oceano Atlântico (L); Minas Gerais, Espírito Santo (S); Goiás, Tocantins (O). Características: dunas, planícies, manguezais (litoral); planalto (SE); depressão do vale do São Francisco, cortando o Estado ao centro no sentido N-S; planalto semi-árido (N e NE). Ponto mais elevado: pico das Almas, 1.850 m. Clima: tropical. Rios principais: São Francisco, Paraguaçu, Jequitinhonha, Itapicuri, Capivari, de Contas.
Formação Histórica: Ponto de chegada dos portugueses no Brasil, começa a ser povoada oficialmente em 1534. O primeiro governador-geral, Tomé de Souza, funda em 1549 a cidade de Salvador, primeira capital do país. No século XVII é atacada por ingleses e holandeses, expulsos pelos portugueses. Mantém intenso comércio com a Europa e a África, e a criação de gado impulsiona a colonização do interior. Em 1798 é palco da Conjuração Baiana, rebelião que propõe a formação da República Baiense.
Dificuldade de integração Com a independência, tem uma difícil integração ao Império. Os baianos exigem autonomia e maior liderança no cenário nacional, que lhes são negadas. Levantes armados são sufocados pelo governo central. Durante a República, também vive graves incidentes políticos, como a Guerra de Canudos e o bombardeio de Salvador, em 1912, resultado de conflitos entre a polícia estadual e a Justiça Federal.

CEARÁ (CE)

Capital: Fortaleza. Habitante: cearense.
Geografia : Localização: norte da região Nordeste. Área: 146.348,3 km² (área de litígio Ceará-Piauí: 2.977,4 km²).
Limites: oceano Atlântico (N); Rio Grande do Norte, Paraíba (L); Pernambuco (S); Piauí (O). Características: planalto (maior parte do território); planícies e várzeas (L, O). Ponto mais elevado: 1.145 m (O). Clima: tropical. Rios principais: Jaguaribe, Salgado, Conceição, Acaraú, Banabuiú, Trussu, Pacoti, Piranji.
Formação Histórica: Faz parte do Estado do Maranhão e do Grão-Pará em 1621. Entre 1637 e 1654 o território é dominado pelos holandeses, que constroem o forte Schoonenborch, na embocadura do rio Pajeú. Só após a expulsão dos holandeses é que se inicia a colonização portuguesa. Em 1656 a região fica subordinada a Pernambuco. O antigo forte holandês é rebatizado como Fortaleza de Nossa Senhora de Assunção e dá origem à capital da futura província. O desenvolvimento da pecuária em Pernambucoe na Bahia leva criadores a ocuparem o interior do Ceará.
O Ceará separa-se de Pernambuco em 1799. Em 1822 os cearenses se engajam na luta pela independência. Em 1824, junto com Pernambuco, Rio Grande do Norte e Paraíba, participa da Confederação do Equador. Os revoltosos proclamam um novo presidente da província, mas a rebelião é sufocada pelas tropas de lorde Cochrane. Desenvolve-se no reinado de dom Pedro II com a chegada da navegação a vapor, das estradas de ferro, da iluminação a gás e do telefone. Em 1884, é a primeira província a libertar os escravos. É também uma das primeiras a aderir à República.

DISTRITO FEDERAL (DF)

Capital: Brasília. Habitante: brasiliense.
Geografia : Localização: região Centro-Oeste. Área: 5.822,1 km². Limites: Planaltina de Goiás (N); Formosa (NE e L); Minas Gerais (L); Cristalina, Luziânia (S); Sto. Antônio do Descoberto (SO e O); Corumbá de Goiás (O); Padre Bernardo (NO
Formação Histórica: A idéia de instalar a capital federal no centro geográfico do país, para incentivar o desenvolvimento do interior e a integração das regiões brasileiras, aparece na primeira Constituição republicana, em 1891. Mas a construção de Brasília só começa em 1956, no governo Juscelino Kubitschek. O Plano Piloto é de autoria do arquiteto Lúcio Costa. Oscar Niemeyer, diretor de arquitetura e urbanismo da Companhia Urbanizadora da Nova Capital (Novacap), projeta os edifícios públicos e prédios residenciais. Mais de 30 mil operários, os candangos, vindos principalmente do Nordeste, trabalham na construção da cidade, erguida em 41 meses.
Terceira cidade a sediar a capital do país, é inaugurada em 21 de abril de 1960, data fixada em homenagem à Inconfidência Mineira. Em 7 de dezembro de 1987, a Unesco declara Brasília patrimônio histórico da humanidade. Até 1988, o governador do Distrito Federal é nomeado pelo presidente da República. A Constituição desse ano estabelece eleições diretas para o governo. Durante esses anos, a capital é cenário de uma explosão populacional, com a chegada de sucessivas levas de novos migrantes. No início da década de 70, por exemplo, seu Plano Piloto é cercado por sete cidades satélites e cinco invasões, que reúnem cerca de 370 mil habitantes.

ESPÍRITO SANTO (ES)

Capital: Vitória. Habitante: capixaba.
Geografia : Localização: leste da região Sudeste. Área: 46.184,1 km². Limites: Bahia (N); oceano Atlântico (L); Rio de Janeiro (S); Minas Gerais (O). Características: baixada, 40% do território (litoral); serra (interior). Ponto mais elevado: pico da Bandeira, 2.890 m (SO). Clima: tropical. Rios principais: Doce, São Mateus, Itaúnas, Itapemirim, Jucu.
Formação Histórica: A capitania é criada por dom João III em 1534 e doada a Vasco Fernandes Coutinho, que toma posse do território em 1535. Nos anos seguintes, a colonização é dificultada pela resistência indígena e pelas freqüentes incursões de piratas franceses, holandeses e ingleses. No século XVII, as entradas organizadas por portugueses e brasileiros tornam-se freqüentes. A partir daí começam a se formar povoamentos no interior, com a criação de engenhos de açúcar e o desenvolvimento da lavoura e do comércio. Com o fim das entradas, no início do século XVIII, a economia entra em estagnação, e a capitania é vendida para a Coroa em 1718, quando passa a ser subordinada à capitania da Bahia. Em 1810, obtém sua autonomia.
Participação dos imigrantes Durante o processo de independência, a população apóia dom Pedro I. A economia volta a crescer a partir de 1823 com a chegada dos primeiros imigrantes suíços, alemães, holandeses e açorianos. O fim da escravatura, em 1888, arruína os fazendeiros, mas com a grande corrente de imigração, de 1892 a 1896, os italianos incrementam a cultura do café, produto que saneia as finanças do Estado e permite a construção de estradas de ferro e do porto de Vitória.

GOIÁS (GO)

Capital: Goiânia. Habitante: goiano.
Geografia : Localização: leste da região Centro-Oeste. Área: 341.289,5 km². Limites: Tocantins (N); Minas Gerais (L e SE); Bahia (L); Mato Grosso do Sul (SO); Mato Grosso (O). Características: planaltos e chapadas. Clima: tropical. Rios principais: Paranaíba, Aporé, Araguaia, São Marcos, Corumbá, Claro, Paraná, Maranhão
Formação Histórica: A região é ocupada a partir das viagens dos bandeirantes e da migração de pecuaristas, que partem de São Paulo em busca de terras mais férteis. No final do século XVII são descobertas as primeiras minas de ouro, e Bartolomeu Bueno da Silva, o Anhangüera, faz expedições na área. Em 1726 o bandeirante paulista volta à região e funda o primeiro vilarejo, o Arraial da Barra. Os povoados se multiplicam, e a exploração do ouro atinge o auge na segunda metade do século XVIII.
Declínio da mineração Em 1744 separa-se de São Paulo e é elevada a província em 1824. A lavoura e a pecuária tornam-se as atividades principais a partir de 1860. Ao mesmo tempo as minas de ouro dão sinais de esgotamento. No final do século XIX, a navegação a vapor e a abertura de estradas facilitam o escoamento dos produtos. A construção das novas capitais, Goiânia, em 1942, e Brasília, em 1956, favorecem sua economia. Em 1988, o norte do Estado é desmembrado, transformando-se no Estado de Tocantins.

MARANHÃO (MA)

Capital: São Luís. Habitante: maranhense.
Geografia : Localização: oeste da região Nordeste. Área: 333.365,6 km². Limites: oceano Atlântico (N); Piauí (L); Tocantins (S e SO); Pará (O).

Formação Histórica: Dividida em duas capitanias, a região do Maranhão é entregue por dom João III a Aires da Cunha e Fernando Álvares de Andrade, em 1535. Essa primeira tentativa de povoamento não deixa vestígios. Os franceses iniciam a ocupação do território com a instalação da França Equinocial em 1612. Portugal expulsa-os em 1615 e, em 1621, institui o Estado do Maranhão e do Grão-Pará. Em 1641 a ilha de São Luís é ocupada pelos holandeses, expulsos três anos depois. A partir daí, o domínio português consolida-se, e em 1774 o Maranhão separa-se do Pará.
A forte influência portuguesa faz com que a independência só seja aceita em 1823, após intervenção armada do almirante Cochrane, a mando de dom Pedro I. Em 1831, é palco da Setembrada, que exige a expulsão dos portugueses e dos padres franciscanos da região e, em 1838, da Balaiada, movimento popular contra a aristocracia rural. Com a abolição da escravatura, a economia entra em decadência e só começa a se recuperar durante a 1ª Guerra Mundial.

MATO GROSSO (MT)

Capital: Cuiabá. Habitante: mato-grossense.
Geografia : Localização: oeste da região Centro-Oeste. Área: 906.806,9 km². Limites: Amazonas, Pará (N); Tocantins, Goiás (L); Mato Grosso do Sul (S); Rondônia, Bolívia (O). Características: planaltos com chapadas (N); planícies inundáveis (NE); Pantanal Mato-Grossense (S)
Formação Histórica: Pelo Tratado de Tordesilhas, de 7 de junho de 1494, a região pertencia à Espanha. O português Pedro Aleixo é o primeiro a explorá-la, em 1525. No início do século XVII, jesuítas espanhóis fundam missões entre os rios Paraná e Paraguai. A descoberta de ouro atrai bandeirantes e aventureiros, acelerando o povoamento. Portugal expande seus domínios e cria a capitania de Mato Grosso em 1748 e, para protegê-la, constrói vilas e fortes. O progresso vem rápido, e Espanha e Portugal definem as fronteiras do território nos tratados de Madri e de Santo Ildefonso, firmados respectivamente em 1750 e 1777.
No início do século XIX a produção de ouro diminui e a economia entra em decadência. Em 1892, há um movimento separatista contra o governo do presidente Floriano Peixoto. A revolta é reprimida. Disputas entre o norte e o sul do Estado levam à intervenção federal em 1917. Na primeira metade do século XX o Estado volta a crescer com a chegada dos seringueiros, criadores de gado e exploradores de erva-mate. Uma parte ao sul do Estado é desmembrada em 1977 e transforma-se no Mato Grosso do Sul.

MATO GROSSO DO SUL (MS)

Capital: Campo Grande. Habitante: sul-mato-grossense.
Geografia : Localização: sul da região Centro-Oeste. Área: 358.158,7 km². Limites: Mato Grosso (N); Goiás, Minas Gerais (NE); São Paulo (L); Paraná (SE); Paraguai (S e SO); Bolívia (O).
Formação Histórica: A idéia da separação do território data do início do século, esbarrando sempre na resistência do norte, temeroso do esvaziamento econômico do Estado. Em 1932 a região sul de Mato Grosso adere à Revolução Constitucionalista sob a condição de que, se vitoriosa, esta tornaria realidade a divisão da região. Desmembrado de Mato Grosso por lei complementar de 11/10/1977, é transformado em Estado em 1º/1/1979, com a posse do primeiro governador e da Assembléia Constituinte.
Para justificar o desmembramento o governo federal argumenta que o antigo Estado do Mato Grosso possui uma área geográfica muito grande, o que dificulta a administração e é separado pela própria diferenciação ecológica. Enquanto a região do Mato Grosso do Sul é formada por campos, o Mato Grosso, na entrada da Amazônia, é em grande parte coberto de florestas. A partir de 1979, o novo Estado é governado por um interventor nomeado pelo presidente da República. A primeira eleição para governador só acontece em 1982.

MINAS GERAIS (MG)

Capital: Belo Horizonte. Habitante: mineiro.
Geografia : Localização: noroeste da região Sudeste. Área: 588.383,6 km². Limites: Bahia (N e NE); Espírito Santo (L); Rio de Janeiro (S e SE); São Paulo (S e SO); Mato Grosso do Sul (O); Goiás (O e NO
Formação Histórica: No século XVI, diversas bandeiras desbravam a região à procura de metais e pedras preciosas. Em 1693 a descoberta de ouro em grande quantidade provoca uma corrida pontuada por incidentes. O mais grave é a Guerra dos Emboabas, quando se confrontam paulistas com portugueses e mineradores vindos de várias regiões do país. Em 1709 é criada a capitania de São Paulo e Minas de Ouro, mas a agitação continua. Em 1720, em Vila Rica, atual Ouro Preto, explode uma rebelião contra os impostos cobrados pelos portugueses. Nesse mesmo ano, Minas torna-se capitania independente.
Revoltas A derrama, cobrança de todos os impostos decidida pela Coroa de Portugal em 1789, é o momento escolhido pelos participantes da Inconfidência Mineira para a eclosão da revolta. Durante a Regência, o descontentamento com o governo central provoca, em Ouro Preto, o Movimento Restaurador de 1833, que quer a volta de dom Pedro I. Com a maioridade de dom Pedro II e a subida dos conservadores ao poder, os mineiros unem-se à Revolução Liberal de 1842. Entre 1926 e 1930, Minas Gerais institui o voto secreto, medida democrática ainda desconhecida no restante do Brasil. Durante toda a República Velha alterna-se com São Paulo na Presidência da República: é a chamada política do café com leite.

PARÁ (PA)

Capital: Belém. Habitante: paraense.
Geografia : Localização: centro da região Norte. Área: 1.253.164,5 km². Limites: Suriname; Amapá (N); oceano Atlântico (NE); Maranhão; Tocantins (L); Mato Grosso (S); Amazonas (0); Roraima; Guiana (NO

Formação Histórica: Desde o início do século XVI a região é cobiçada por holandeses e ingleses, que invadem o território em busca de urucum, guaraná e pimenta. Seu povoamento, porém, só se consolida com os portugueses. Em 1616 a fundação do Forte do Presépio, na baía de Guajará, dá origem a Belém e assegura a ligação do Pará com São Luís do Maranhão. No século XVII o território é integrado ao Estado do Maranhão e Grão-Pará e vive um período próspero, com lavouras de café, arroz, cana-de-açúcar, cacau e tabaco, além de fazendas de gado. Essa integração é desfeita em 1774.
Crescimento econômico No início do século XIX, Belém torna-se um importante centro urbano. Em 1821 a Revolução Constitucionalista do Porto é apoiada pelos paraenses, que se insurgem contra o rei de Portugal. O levante é sufocado. Em 1835 o Pará é palco do movimento popular da Cabanagem, que chega a decretar a independência da província e a instalar um novo governo em Belém. A economia da região fica estagnada até o fim do século XIX. O crescimento é retomado durante o apogeu da exploração da borracha.

PARAÍBA (PB)

Capital: João Pessoa. Habitante: paraibano.
Geografia : Localização: leste da região Nordeste. Área: 56.584,6 km². Limites: Rio Grande do Norte (N); oceano Atlântico (L); Pernambuco (S); Ceará (O). Características: baixada (litoral); planalto da Borborema (centro); planalto Ocidental (O

Formação Histórica: Já no início do século XVI os franceses ocupam a região e conquistam a confiança dos índios potiguares. Essa aproximação dificulta a colonização portuguesa. Em 1585 o português João Tavares constrói, na foz do rio Paraíba, o Forte de São Felipe, para defender a área dos ataques dos franceses. Ali nasce a cidade de Filipéia, mais tarde Paraíba, hoje João Pessoa. A paz com os indígenas, porém, só se consolida em 1599, após a destruição de aldeias inteiras e de uma epidemia de varíola que extermina dois terços da população nativa.
Em 1634 a região é tomada pelos holandeses, que ficam até 1654, quando são expulsos por André Vidal de Negreiros. Nos anos seguintes, novos apresamentos de índios provocam revoltas que exigem intervenção militar da metrópole. Em 1684 o território é elevado à condição de capitania. Em 1753 é subordinada à capitania de Pernambuco. Em 1799 separa-se novamente.
Revoltas Os paraibanos participam ativamente da Revolução Pernambucana de 1817. Em 1930 o governador João Pessoa de Albuquerque é indicado como candidato a vice-presidente da República na chapa de Getúlio Vargas, pela Aliança Liberal. Seu assassinato, em julho daquele ano, é um dos pretextos para a Revolução de 1930.

PARANÁ (PR)

Capital: Curitiba. Habitante: paranaense.
Geografia : Localização: norte da região Sul. Área: 199.709,1 km². Limites: São Paulo (N e NE); oceano Atlântico (L); Santa Catarina (S); Argentina (SO); Paraguai (O); Mato Grosso do Sul (NO). Características: baixada (litoral); planaltos (centro e O

Formação Histórica: Diversas expedições estrangeiras percorrem a região em busca de madeira de lei, no início do século XVI. No século XVII, a descoberta de ouro e a procura de índios para o trabalho escravo levam portugueses e paulistas a ocuparem a região. Até o século XVIII, apenas Paranaguá e Curitiba são vilas. A descoberta de ouro em Minas Gerais relega a segundo plano a mineração paranaense e a economia passa a se basear na pecuária.
Imigrantes O território é parte da Província de São Paulo, até meados do século XIX. Só em 1853 o Paraná consegue sua autonomia e inicia-se um programa oficial de imigração européia, principalmente de poloneses, alemães e italianos. No final do século XIX, a construção de ferrovias viabiliza a indústria madeireira. De 1912 a 1915 participa da Guerra do Contestado contra Santa Catarina.

PERNAMBUCO (PE)

Capital: Recife. Habitante: pernambucano.
Geografia : Localização: centro-leste da região Nordeste. Área: 98.937,8 km². Limites: Paraíba e Ceará (N); oceano Atlântico (L); Alagoas e Bahia (S); Piauí

Formação Histórica: Em 1534 a capitania é doada a Duarte Coelho. Três anos mais tarde o capitão-mor funda as vilas de Igarassu e Olinda. Inicia-se o cultivo de cana-de-açúcar e algodão, e a riqueza da região atrai piratas europeus. De 1630 a 1654 vive sob dominação holandesa. O governo de Maurício de Nassau faz grandes mudanças sociais, econômicas e culturais e a região prospera. Em 1710 a Guerra dos Mascates opõe Olinda a Recife. A partir daí, durante quase um século, a região entra em declínio.
Rebeliões Em 1811 há uma série de revoltas separatistas. Em 1817 o descontentamento com a administração portuguesa faz eclodir a Revolução Pernambucana. Pernambuco não aceita a Constituição outorgada por dom Pedro I, em 25/3/1825, e dá início à Confederação do Equador, movimento separatista de inspiração republicana. Vinte anos mais tarde, os ideais republicanos voltam à tona, durante a Rebelião Praieira. O movimento só é sufocado quatro anos mais tarde, em 1848.

PIAUÍ (PI)

Capital: Teresina. Habitante: piauiense.
Geografia : Localização: noroeste da região Nordeste. Área: 252.378,5 km² (área de litígio Ceará-Piauí: 2.977,4 km²). Limites: oceano Atlântico (N); Ceará, Pernambuco (L); Bahia (SE e S); Tocantins (SO); Maranhão (O

Formação Histórica: A ocupação do território começa pelo interior, com a instalação de fazendas de gado. Os vaqueiros sobem principalmente da Bahia, em busca de pastagens. Em 1715 a região é anexada ao Maranhão. Torna-se capitania subordinada ao Maranhão, em 1718, mas o primeiro governador, João Pereira Caldas, só toma posse em 1758. Em 1811 o Piauí conquista sua autonomia, ligando-se diretamente à Coroa.
Abolicionismo Na independência, em 1822, os portugueses da região revoltam-se e combatem os brasileiros. O movimento espalha-se mas os brasileiros terminam vitoriosos. Mais tarde, rebeliões como a Confederação do Equador e a Balaiada abalam a região. Em 1852 a mudança da capital para Teresina abre um período de progresso, que termina no final do século XIX. É uma das primeiras províncias a aderir ao movimento pela abolição da escravatura. Em 1870 é criada uma sociedade que inclui no orçamento do Piauí uma verba para a libertação dos cativos. Com a República, o Estado entra em uma fase de relativa tranqüilidade, apesar das dificuldades econômicas.

RIO DE JANEIRO (RJ)

Capital: Rio de Janeiro. Habitante: fluminense.
Geografia: Localização: leste da região Sudeste. Área: 43.909,7 km². Limites: Minas Gerais (N e NO); Espírito Santo (NE); oceano Atlântico (L e S); São Paulo (SO).

Formação Histórica: Em 1534 o território está dividido em duas capitanias: São Vicente, ao sul, e São Tomé, ao norte. Em 1555, os franceses ocupam a área e só em 1567 são expulsos. Em 1565 Estácio de Sá funda São Sebastião do Rio de Janeiro. A cidade torna-se sede do governo do Sul em 1572, quando o rei de Portugal divide o Brasil em duas administrações. A pecuária, o cultivo de cana-de-açúcar e a agricultura de subsistência garantem o progresso, que aumenta quando o porto do Rio passa a escoar a riqueza extraída de Minas Gerais
Capital do país Em 1763 torna-se capital do vice-reino. A mudança da família real para o Brasil, em 1808, dá impulso à região, transformada em sede do reino português. Em 1834 a cidade do Rio de Janeiro é transformada em município neutro e permanece como capital do país; a capitania é elevada a província, com sede em Niterói. Em 1889 o município do Rio de Janeiro torna-se capital da República e a província passa a Estado. Quando Brasília torna-se capital federal, em 1960, o município do Rio de Janeiro transforma-se em Estado da Guanabara. Em 15/3/1975, os Estados do Rio Janeiro e da Guanabara se fundem. O novo Estado conserva o nome de Rio de Janeiro e a cidade do Rio de Janeiro é escolhida como capital.

RIO GRANDE DO NORTE (RN)

Capital: Natal: Habitante: potiguar ou norte-rio-grandense.
Geografia : Localização: nordeste da região Nordeste. Área: 53.306,8 km². Limites: oceano Atlântico (N e L); Paraíba (S); Ceará (O

Formação Histórica: O desbravamento da região é iniciado pelos franceses, que a dominam de 1535 a 1598, quando são expulsos pelos portugueses. O povoamento é lento até 1633. Nesse ano, passa para o controle dos holandeses, que promovem a exploração do sal, a cultura da cana-de-açúcar e a criação de gado.
Após a expulsão dos holandeses, em 1654, é palco da Confederação dos Cariris. A rebelião generalizada das tribos indígenas contra a escravidão dura de 1687 até o final do século XVII. Em 1701 o Rio Grande do Norte é subordinado a Pernambuco. Em 1817 adere à Revolução Pernambucana e a cidade de Natal sedia uma junta de governo provisório.
Província Só em 1820 conta com uma alfândega própria passando a cuidar de suas exportações. Com o fim do movimento, integra-se ao Império em 1822 e torna-se província. Dois anos depois, em 1824, separatistas da província juntam-se aos pernambucanos, cearenses e paraibanos na Confederação do Equador. Torna-se Estado com a proclamação da República, em 1889.

RIO GRANDE DO SUL (RS)

Capital: Porto Alegre. Habitante: gaúcho ou sul-rio-grandense.
Geografia : Localização: sul da região Sul. Área: 282.062 km². Limites: Santa Catarina (N); oceano Atlântico (L); Uruguai (S); Argentina (O

Formação Histórica: Em 1627, jesuítas espanhóis criam missões na margem oriental do rio Uruguai, mas são expulsos pelos portugueses. Estes criam, em 1680, a colônia de Sacramento, às margens do rio da Prata. Em 1687 os jesuítas instalam novos povoados na região, os Sete Povos das Missões Orientais. Em 1737 os portugueses iniciam a colonização do território. Cinco anos mais tarde, em 1742, fundam o vilarejo de Porto dos Casais, atual Porto Alegre. Foco de constantes disputas entre portugueses e espanhóis, a região é incorporada ao Brasil em 1801 e, em 1807, elevada à condição de capitania.
Pacificação A partir de 1824 chegam levas de imigrantes alemães e italianos que instalam pequenas propriedades rurais. Sua economia, até então assentada no latifúndio (as estâncias) e na criação de gado de corte para a produção do charque, se diversifica. A produção agrícola abastece todo o Estado e é exportada para as regiões vizinhas. No século XIX o Rio Grande do Sul vive diversas rebeliões, como a Guerra dos Farrapos, que dura dez anos. Os gaúchos participam da luta contra o argentino Rosas e da Guerra do Paraguai. Com a República, surgem novas revoltas e o Estado só é pacificado em 1928, durante o governo de Getúlio Vargas.

RONDÔNIA (RO)

Capital: Porto Velho. Habitante: rondoniano.
Geografia: Localização: oeste da região Norte. Área: 238.512,8 km². Limites: Amazonas (N); Mato Grosso (L); Bolívia (S e O); Acre (O

Formação Histórica: Até o século XVII apenas algumas missões religiosas estão instaladas na região. A descoberta de ouro em Cuiabá, no século XVIII, dá início às explorações bandeirantes pelo vale do rio Guaporé. Mas é o apogeu da exploração da borracha, no fim do século XIX, que atrai migrantes, vindos principalmente do Nordeste. Formado por terras pertencentes aos Estados do Amazonas e do Mato Grosso, o território é criado em 13/9/1943, com o nome de Guaporé. A capital, Porto Velho, origina-se de um núcleo de colonos enviados para a construção da ferrovia Madeira-Mamoré, inaugurada em 1º/8/1912.
Fluxo migratório Em homenagem ao marechal Cândido Rondon, um dos desbravadores da área, passa a chamar-se Rondônia em 17/2/1956. A descoberta de jazidas de cassiterita e a construção de rodovias estimulam a economia da região, até então baseada apenas na borracha e na castanha-do-pará. Torna-se Estado em 1981 e, nessa época, os projetos de colonização do Incra registram 36.518 famílias aguardando a distribuição de terra.

RORAIMA (RR)

Capital: Boa Vista. Habitante: roraimense.
Geografia : Localização: noroeste da região Norte. Área: 225.116,1 km². Limites: Venezuela (N e NO); Guiana (L); Pará (SE); Amazonas (S e O

Formação Histórica: O território é disputado por espanhóis, portugueses, holandeses e ingleses desde o início do século XVI. Mas a fixação de povoados só acontece no século XVIII, após grande extermínio indígena. Em 1858 o governo imperial cria a freguesia de Nossa Senhora do Carmo, transformada em município de Boa Vista em 1890.
Em 1904 a disputa territorial com a Inglaterra, decidida pelo rei da Itália, Vitório Emanuel III, tira do Brasil a maior parte das terras da região do lago Pirara, incorporadas à Guiana Inglesa. Em 13/9/1943, com área desmembrada do Amazonas, é criado o território de Rio Branco. Passa a chamar-se Roraima em 13/12/1962, durante o governo João Goulart. Rico em jazidas de bauxita, cobre e cassiterita, é graças ao garimpo de ouro e diamantes, porém, que se dá a ocupação efetiva do território. Em 1988, a Assembléia Constituinte transforma Roraima em Estado.

SANTA CATARINA (SC)

Capital: Florianópolis. Habitante: catarinense ou barriga-verde.
Geografia : Localização: centro da região Sul. Área: 95.442,9 km². Limites: Paraná (N); oceano Atlântico (L); Rio Grande do Sul (S); Argentina (O

Formação Histórica: Em 1534 o território é doado a Pero Lopes de Sousa por dom João III. Em 1658 é fundado o povoado de Nossa Senhora da Graça do Rio de São Francisco, seguido pelo de Nossa Senhora do Desterro, hoje Florianópolis. Em 1738 é criada a capitania de Santa Catarina, tendo início a instalação de um sistema de defesa e a imigração de açorianos. Conquistada em 1777 pelos espanhóis a região é devolvida aos portugueses no mesmo ano pelo Tratado de Santo Ildefonso.
Lutas políticas Durante o Império, a província tem mais de 70 presidentes, entre titulares e substitutos. Também é palco de muitas lutas políticas: a Guerra dos Farrapos estende-se até a região onde, em 1839, é proclamada a República Juliana. A Revolução Federalista e a Guerra do Contestado são reprimidas pelas tropas federais. Na segunda metade do século XIX recebe imigrantes, especialmente alemães e italianos. Estes últimos se dirigem principalmente para o sul da província, onde se dedicam à lavoura de subsistência e à vitivinicultura. É também nessa área que se dá a exploração do carvão, produto importante na economia catarinense principalmente a partir da 2ª Guerra Mundial.

SÃO PAULO (SP)

Capital: São Paulo. Habitante: paulista.
Geografia : Localização: sudeste da região Sudeste. Área: 248.808,8 km². Limites: Minas Gerais (N e NE); Rio de Janeiro (NE); oceano Atlântico (L); Paraná (S); Mato Grosso do Sul (O).

Formação Histórica: A colonização começa em 1532, com a fundação da vila de São Vicente. Em 1554 um grupo de jesuítas inaugura o Colégio de São Paulo, núcleo da atual cidade de São Paulo. No século XVII os paulistas organizam as bandeiras, que percorrem o interior em busca de mão-de-obra indígena e ouro. A economia baseia-se na agropecuária de subsistência até o século XIX, quando a cultura cafeeira possibilita um grande desenvolvimento. O capital acumulado nessa fase e a qualificação profissional dos imigrantes europeus promovem o crescimento industrial. A partir daí, a estrutura econômica e social da província se modifica.
Urbanização Intensifica-se a urbanização e o crescimento dos setores médios da população e a região começa a receber migrantes de outros lugares do Brasil. Nas últimas décadas do século XIX, São Paulo é o centro de uma ativa propaganda republicana. A mudança de sistema político no país e a abolição da escravatura são os temas dominantes na província, na década de 1880, tendo como base de difusão a Faculdade de Direito do Largo São Francisco, na capital.
No início do século XX, o Estado domina a máquina eleitoral brasileira junto com Minas Gerais, na chamada política do café com leite. A Revolução de 1930 coloca fim à liderança da oligarquia cafeeira, enviando um interventor federal para o Estado. A oligarquia não aceita ser afastada do poder e promove a Revolução Constitucionalista de 1932. A luta dura pouco mais de dois meses e o paulistas são derrotados em setembro do mesmo ano.

SERGIPE (SE)

Capital: Aracaju. Habitante: sergipano.
Geografia : Localização: leste da região Nordeste. Área: 22.050,4 km². Limites: Alagoas (N); oceano Atlântico (L); Bahia (S e O

Formação Histórica: A colonização só é possível depois da destruição, em 1590, de tribos indígenas hostis. A fundação do Arraial de São Cristóvão, sede da capitania de Sergipe del-Rey, torna a região importante pólo de criação de gado e plantação de cana-de-açúcar. As invasões holandesas prejudicam a economia, recuperada com a volta dos portugueses, que retomam as antigas atividades.
Auge da agricultura Em 1763, o território é anexado à Bahia e torna-se responsável por um terço da produção açucareira baiana. Volta a ser autônomo em 1820, por decreto de dom João VI. Com a decadência da cana-de-açúcar, sua economia passa a depender da produção de algodão. As plantações tomam conta da região, principalmente durante a Guerra da Secessão, nos EUA. No início da República sedia movimentos rebeldes que disputam a hegemonia política local. Essas revoltas são motivadas pela interferência dos governos centrais que nomeiam para as sucessivas chefias do Estado intelectuais sergipanos de projeção nacional, mas que não possuem raízes partidárias na região.

TOCANTINS (TO)

Capital: Palmas. Habitante: tocantinense.
Geografia : Localização: sudeste da região Norte. Área: 278.420,7 km². Limites: Maranhão (N e NE); Piauí e Bahia (L); Goiás (S); Mato Grosso (SO); Pará (NO

Formação Histórica: Desde o século XIX a idéia de separar as porções norte e sul de Goiás alimenta movimentos populares na região. Em 1821, em protesto contra o isolamento da região, promovido pelo rei dom João VI, o desembargador Joaquim Teotônio Segurado proclama o governo autônomo de Tocantins. A revolta é dominada por Caetano Maria Gama, primeiro presidente da província, nomeado por dom Pedro I, em 1824.
No início do século, a idéia é retomada, mas só a partir da década de 1970 passa a ser seriamente discutida no Congresso. Criado por determinação da Assembléia Nacional Constituinte, em 1988, é o mais novo Estado brasileiro, formado com o desmembramento de parte das terras que pertenciam ao Estado de Goiás.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar. Você tem o direito de gostar ou não e de concordar ou não com nossas postagens, por isso antes de escrever palavrões tenha atitudes mais inteligentes: procure outro blog, faça um se és capaz ou vai tratar das tuas frustrações.