sábado, 3 de abril de 2010

O Crescimento Vegetativo da População Brasileira

O crescimento vegetativo de uma população é a diferença entre o total de nascimentos e o total de mortes.
A taxa geométrica de crescimento, ou simplesmente crescimento populacional, engloba o crescimento vegetativo e os movimentos migratórios. Portanto, mesmo regiões que apresentam crescimento vegetativo elevado podem estar passando por processo de redução de contingente, caso os fluxos migratórios estejam negativos, ou seja, grande parte da população esteja emigrando por qualquer motivo.
Ao longo do século XX a redução das taxas de natalidade e de mortalidade e o aumento da expectativa de vida estiveram associados ao processo de urbanização e aos avanços da medicina.
Com o êxodo rural e o conseqüente aumento percentual da população urbana em relação à população rural, há uma mudança no comportamento demográfico da população, com queda nos índices de fertilidade (número de filhos por mulher) devido aos seguintes fatores: aumento do custo de criação, maior acesso a métodos anticoncepcionais, maior índice de mulheres que trabalham fora de casa.
Ainda, com a urbanização, ocorre queda nas taxas de mortalidade e aumenta a expectativa de vida, uma vez que aumenta o percentual de população com acesso a saneamento básico (água tratada e coleta de esgoto) e serviços de saúde, além de maior eficiência nos programas de vacinação.

Planejamento familiar

Para que as mulheres tenham condições de optar conscientemente pelo número de filhos que desejam ter é necessário que tenham acesso, em primeiro lugar, a um sistema eficiente de educação e saúde. À medida que aumenta o índice de escolarização da população, mais mulheres passam a optar pelo método anticoncepcional que seja mais indicado, por um médico, para a sua circunstância pessoal.
A gravidez acidental na adolescência compromete, na maioria dos casos, a formação educacional eprofissional das meninas. Muitas vezes é fruto da desinformação e da dificuldade de acesso a métodos

A ESTRUTURA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA

1. A Pirâmide de Idades
A pirâmide de idades é um gráfico onde podemos obter dados sobre o número de habitantes de uma cidade, um estado, um país ou qualquer outra base de dados, e sua distribuição por faixa etária e sexo. Ao observá-la podemos tirar algumas conclusões sobre a taxa de natalidade e a expectativa de vida da população:
- quanto maior a base, maior a taxa de natalidade e a participação dos jovens no conjunto total da população
- quanto mais estreito o topo, menor a expectativa de vida e a participação de idosos no conjunto da população.
A intensidade da prática anticonceptiva no País, quer seja através de métodos previsíveis (como a pílula anticoncepcional) ou a esterilização feminina, contribui para acelerar o ritmo de declínio da natalidade ao longo da década de 1980

Envelhecimento Populacional -
É um importante indicador que está relacionado à estrutura etária de um povo e que relaciona a população idosa com o contigente de crianças. Trata-se de uma derivação do índice de envelhecimento populacional, que se presta a significativos estudos comparativos.
O entendimento desse índice traduz-se da seguinte forma: quanto maior sua magnitude, mais elevada é a proporção de idosos - no caso, a população de menos de 15 anos de idade.
O Brasil como um todo possui um índice de 16,97%, que está em ascensão, visto ter sido de 13,90% em 1991. Quando se estabelecem comparações regionais, percebe-se inicialmente que o índice está subindo praticamente em todas as regiões, o que reflete a influência da continuada queda da fecundidade e, simultaneamente, do aumento consistente da esperança média de vida.
Proporção de população de menos de 15 anos e de 65 anos e mais; e Relação Idoso/Criança, segundo as grande regiões (1980 - 1996).
As estimativas atualmente disponíveis sugerem que esse índice deverá continuar crescendo no Brasil, a partir principalmente da proporção de população jovem.

2. As atividades econômicas
À medida que a economia de um país vai-se desenvolvendo, diminui a participação da agricultura e aumenta a participação da indústria e dos serviços na composição do PIB. Observe os dados da tabela:

O ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO - IDH

Desde 1990, os relatórios divulgados pela Organização das Nações Unidas (ONU) nos permitem realizar algumas comparações entre a qualidade de vida da população dos diversos países do planeta utilizando o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Este índice reflete as condições de três variáveis básicas para uma boa qualidade de vida: a expectativa de vida ao nascer, a escolaridade e o Produto Interno Bruto per capita. Veja o que significam essas variáveis:
- Expectativa de vida ao nascer – se a população apresenta uma expectativa de vida elevada, isto indica que as condições de saneamento básico, alimentação, assistência médico-hospitalar e moradia são boas, além de haver o acesso a um meio ambiente saudável.
- Escolaridade – quanto maior o índice de escolarização da população, melhor o nível de desenvolvimento, exercício da cidadania, produtividade do trabalho etc.
- Produto Interno Bruto per capita – o Produto Interno Bruto (PIB) é a soma de tudo o que foi produzido pela economia de um país no período de um ano. O PIB de um país dividido por sua população corresponde à renda per capita, que é o valor que caberia, em média, a cada pessoa. No cálculo do IDH, o PIB é ajustado ao poder de compra da moeda nacional, porque os gastos com alimentação, saúde e moradia variam muito de um país para outro.
Essas três variáveis são expressas em uma escala que varia de 0,0 a 1,0: quanto mais baixo o índice, piores são as condições de vida; quanto mais próximo de 1,0, mais elevada é a qualidade de vida da população em geral.

Os países são divididos em três categorias:
- baixo desenvolvimento humano: IDH menor que 0,500
- médio desenvolvimento humano: IDH entre 0,500 e 0,799
- alto desenvolvimento humano: IDH de 0,800 ou mais.

Nos países subdesenvolvidos, há uma grande concentração da renda nacional, principalmente em função de três fatores:
1. a inflação nunca é integralmente repassada aos salários, o que aumenta o lucro dos empresários e diminui o poder aquisitivo dos assalariados;
2. a carga de impostos indiretos (ICMS, IPI, ISS e todos os outros tributos que estão embutidos no preço das mercadorias e serviços que consumimos) é elevada; como o pobre e o rico pagam o mesmo valor de impostos ao comprar uma mercadoria, essa forma de arrecadação pesa mais para a população de baixa renda;
3. a precariedade dos serviços públicos diminui as possibilidades de a classe baixa ascender profissionalmente e melhorar seus rendimentos.
Se as políticas públicas de planejamento não considerarem como está distribuída a renda pela população, suas estratégias de melhoria dos sistemas de educação e saúde, das condições de habitação, transportes, abastecimento, lazer etc. estarão condenadas ao fracasso.
O controle da inflação, a partir de 1994, com a implantação do Plano Real, promoveu ganhos expressivos para a população de baixa renda.

14 comentários:

  1. estou ficando louca com toda essa geografia

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pelo material professor , esta bem claro e pude, graças ao teu texto, ajudar ao meu filho. um abraço - Claudia Carvalho

    ResponderExcluir
  3. putz, li, li e li e nao me mostrou nada do que queria. os responsáveis deveriam tomar providencia sobre isso. obrigado(a)pela atençao.

    ResponderExcluir
  4. me ajudou em algumas coisas mas naum em tudo faltaram algumas coisas. como estrutura etaria, geologia , morfologia do relevo ....

    ResponderExcluir
  5. esse texto só piorou minhas ideias, me confundiu mais ainda :s

    ResponderExcluir
  6. Muito pelo contrario, o texto está ótimo, e não é tão longo assim, só estreito pelo layout. O texto é muito bem explicado (admitido que um pouco consufo) , mas vocês devem estar procurando um mais resumido.

    ResponderExcluir
  7. esse texto e muito grande e eu nao entendi nada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ou a preguissa q num dexa?kkkkkkkk

      Excluir
  8. fiquei perdida nele to tentando entender ainda

    ResponderExcluir
  9. nao acho louco bem inteligente bem inteligentes

    ResponderExcluir
  10. Esse texto é enorme e confuso!!!!!!

    ResponderExcluir
  11. ESTE TEXTO É BOM. E PARA ENTENDE-LO BASTA PRESTAR ATENÇÃO E ESTAR COM VONTADE DE LER, POIS SE NÃO ESTIVER ENTENDERÁ NADA

    ResponderExcluir
  12. È verdade ,se nao estiver com forsa de vontade nada voce entedera!!!

    ResponderExcluir

Fique a vontade para comentar. Você tem o direito de gostar ou não e de concordar ou não com nossas postagens, por isso antes de escrever palavrões tenha atitudes mais inteligentes: procure outro blog, faça um se és capaz ou vai tratar das tuas frustrações.