sábado, 3 de abril de 2010

Regiões Metropolitanas

A partir da segunda metade do século XX houve um processo de expansão das áreas urbanas das grandes cidades em direção à periferia; vários municípios tornaram-se um único bloco.
Essa situação caracteriza a conurbação, sistema no qual os problemas de infra-estrutura urbana (transportes coletivos, segurança, moradia, saneamento etc.) e integração socioeconômica devem ser administrados conjuntamente. Exemplo: uma pessoa trabalha e estuda em um município diferente daquele em que mora (e pelo qual paga IPTU).
Esse processo, verificado em várias regiões do país levou o Governo Federal a criar, em 1973, as regiões metropolitanas: “um conjunto de municípios contínuos e integrados sócio-economicamente a uma cidade central, com serviços públicos e infra-estrutura comum”. Cada metrópole é administrada por um Conselho, nomeado pelo governador do estado onde se encontra:
Salvador – 10 municípios
Fortaleza – 9 municípios
Curitiba – 24 municípios
Belém – 5 municípios
Vitória – 5 municípios
Baixada Santista (SP) – 9 municípios
São Luís – 4 municípios
Natal – 6 municípios

Quanto maior e mais diversificada é a atividade econômica, cultural e política de uma cidade, maior é a área na qual se estende seu poder de polarização. São Paulo e Rio de Janeiro são consideradas metrópoles nacionais porque concentram quase o país inteiro, uma vez que suas atividades econômicas são de maior porte e mais diversificadas que as das demais capitais do país. Curitiba, Belo Horizonte, Recife e outras capitais estendem suas zonas de influências por áreas territoriais menores e são consideradas metrópoles regionais.
As metrópoles são os maiores centros de polarização do território. Nessa hierarquia urbana há, ainda, as capitais regionais, os centros regionais e as cidades locais; estas últimas polarizam apenas suas respectivas zonas rurais.
Essas cidades que se relacionam no território através de sistemas de transportes e de comunicações formam a rede urbana.
Nas regiões onde as cidades estão dispersas pelo território, ou seja, onde a rede urbana é desarticulada, os níveis de polarização seguem uma hierarquia mais ou menos rígida. Por exemplo, se uma pessoa que mora em uma pequena cidade do interior do Nordeste quiser viajar ao exterior, qual deverá ser o seu percurso? Na maioria das cidades pequenas só existem ônibus que vão para os centros e capitais regionais. Exemplo: não há ônibus direto de Carolina, pequena cidade do Maranhão, para Salvador ou Recife (cidades que possuem aeroportos internacionais).
O viajante teria que se deslocar para Imperatriz e de lá para uma metrópole. Para dar continuidade aos estudos ou comprar livros de editoras especializadas, as pessoas que moram em cidades pequenas de regiões onde a rede urbana é esparsa têm de se deslocar de cidade em cidade. Nas regiões em que a rede urbana é densa e articulada, as cidades locais podem estar diretamente ligadas a uma metrópole nacional. Se a pessoa do primeiro exemplo apresentado morasse numa pequena cidade do interior, não precisaria deslocar-se por tantas cidades para viajar ou para dar continuidade a seus estudos.

A modernização dos sistemas de transportes e comunicações integra as cidades de diferentes portes que formam a rede urbana.
Dentro do que é legalmente considerado perímetro urbano, o governo municipal arrecada o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU); fora desses limites, na zona rural, é arrecadado o Imposto Territorial Rural (ITR).
Como o IPTU vai direto para os cofres da prefeitura e é mais caro que as outras taxas cobradas, alguns prefeitos estendem o perímetro urbano para as áreas rurais do município.

No capítulo que trata da população brasileira, vimos que o crescimento populacional está associado a dois fatores:
o crescimento vegetativo e a migração. Entre as décadas de 1930 e 1970, as capitais industriais do Sudeste (São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte), cidades que mais cresciam no país, foram os grandes pólos de atração de migrantes. A diferença entre o crescimento dessas cidades e as de porte médio era enorme. Um dos resultados
dessa dinâmica é o fato de a região metropolitana de São Paulo, ainda hoje, abrigar quase 40% da população de todo o estado e cerca de 10% da população do país.
A partir da década de 1980, em conseqüência do processo de dispersão das atividades econômicas por novas áreas do território nacional, muitas capitais passaram a apresentar um ritmo de crescimento inferior ao verificado nas médias cidades.

POPULAÇÃO RESIDENTE E TAXA DE CRESCIMENTO, SEGUNDO OS MUNICÍPIOS
Considerando que no período de 1970 a 1980, a taxa média de crescimento da população brasileira foi de 2,49% ao ano e, entre 1991 e 1996, essa taxa passou para 1,38%, podemos verificar grandes mudanças de fluxos migratórios nesses períodos.

A malha ou mancha urbana

Vimos que o sistema de cidades e sua organização no território constituem a rede urbana. Já a malha ou mancha urbana é a organização interna de suas ruas, casas, comércio, equipamentos de lazer e tudo que estrutura sua dinâmica interna.
As malhas urbanas se organizam de formas muito variadas. Algumas se estruturam espontaneamente, outras são planejadas. Muitas vezes essa diferenciação acontece no interior das grandes cidades, onde é comum o surgimento espontâneo de bairros pobres e carentes de infra-estrutura. Além disso, nesses grandes centros há o aparecimento
de bairros de classe média ou alta que foram planejados, onde os equipamentos urbanos chegaram antes das pessoas.
Neste endereço eletrônico há explicações sobre limpeza urbana, produção e destino final do lixo, formas de coleta, transporte e tratamento, além de uma cartilha sobre limpeza urbana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fique a vontade para comentar. Você tem o direito de gostar ou não e de concordar ou não com nossas postagens, por isso antes de escrever palavrões tenha atitudes mais inteligentes: procure outro blog, faça um se és capaz ou vai tratar das tuas frustrações.